quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

RESUMIDAS IMPRESSÕES: Mania de Explicação


Autora: Adriana Falcão
Ilustradora: Mariana Massarani

        
Mania de Explicação é um livro leve e descontraído que mergulha no mundo dos sentimentos, com o humor e a concretude que simplificam a compreensão de conceitos, até muito duros ou muito intensos de vivenciar. Um livro que coloca ”pingos nos i’s”, definindo sentimentos arquetípicos dos quais, tantas vezes, indago no consultório ou nas relações pessoais, e, um monte de pessoas não consegue nomear ou descrever...

Se todo adulto lembrasse de perguntar a sua criança interior o significado de certas coisas, coisas que algumas vezes lhes são questionadas pelas crianças ao seu redor, filhos, sobrinhos, enteados, alunos, etc, as respostas poderiam alcançar a leveza e a profundidade de Adriana Falcão.

Se um pai que chegasse do trabalho, cansado, bravo, em vez de descontar em seu pequeno filho tamanha irritação, dissesse: Meu filho, parece que tem no meu peito um carro com alarme disparado... Ou se uma mãe, meio angustiada, fosse sincera e concreta o suficiente para dizer para sua criança: Meu bem, não posso lhe dar a atenção que você merece, porque estou me sentindo como se uma mão gigante estivesse apertando meu coração... Acho que a relação entre pais e crianças ficaria bem mai sincera.

As palavras que Adriana escolheu para explicar no livro parecem seguir num crescente de importância: explicação, simplificar, Um meio, filósofo, irritação, solidão... sentimento, raiva, tristeza, alegria, felicidade... beijo, gostar, amar... parece que ela vai preparando o leitor para entender a significação do mais simples ao mais complexo.
E de todas as palavras que escolheu, as que eu mais gostei foram:
“Solidão é uma ilha com saudades de barco.”
“Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.”
“Angústia é um nó apertado bem no meio do seu sossego.”
“Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.”
“Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas geralmente não podia”. (Essa eu uso no consultório.)
”Amor... talvez porque não tivesse sentido, talvez porque nào houvesse explicação, esse negócio de amor, ela não sabia explicar, a menina.

E eu ousaria trocar o conceito de algumas das palavras:
Desespero é quando o pássaro que pensa existir em você se atreve a voar mas descobre que não tem asas porque não é pássaro é centopeia...
Sucesso é quando você faz o que sabe fazer da melhor maneira que você pode, mesmo que ninguém perceba...
Intuição é quando você fecha os olhos e vê o que precisa saber...
Raiva é quando o leão que mora em você mostra os dentes e as garras...
Alegria é quando o cavalo que existe em você corre solto pelas montanhas sentindo o vento em sua crina...
Amor é tudo de muito muito muito bom...

Assim como é tudo de muito bom a arte de Mariana Massarani. Sem ler as palavras, mas as imagens, vi a mesma leveza e simplicidade, concretude e fantasia nas ilustrações de Mariana. A personagem principal é menina com cara de filósofa, com jeitinho sapecamente travessa e espontânea. Os cenários promovem a exemplificação complementar das conceituações escritas e são provocadores de outras ideias no imaginário do leitor.

O desenho em si parece perfeitamente primário, feito pela criança que existe em cada um. O traço é modesto com as informações básicas e suficientes para a compreensão, como dois olhos em pontinhos e nariz e boca com traços finos. O colorido falhado me lembra pintura infantil, quando não há tempo e nem desejo de deixar a vida ou o desenho perfeitamente pintado, porque a perfeição está na descomplicação do viver.

A capa? Eu não poderia deixar de comentar, quantas vezes eu desenhei e ainda desenho de forma semelhante, em uma folha vários espaços com uma mesma forma de rosto e cabelo, mudando somente a forma de olhos e boca tentando captar vários dos sentimentos que minhas personagens possam ilustrar... Maravilhosa ideia, Mariana Massarani.

E para todos os meus leitores, esse é um livro que recomendo para qualquer idade. Crianças das pequeninas às mais velhas. Aos adolescentes. Aos Adultos. Recomendo aos pais, aos professores, aos psicólogos e, a quem no fundo quer uma ajudinha na hora de identificar o que se sente usando palavras e ilustrações.

Sem dúvida, Mania de Explicação, deveria virar mania na criação e na educação. Imagino, pais e educadores explicando e descrevendo as coisas da vida, com arte, poesia, ternura, desenvoltura, pintura, aventura e disponibilidade. Eu imagino, eu sonho e, quando troco de mania, da que me aprisiona para a que me liberta, tento explicar o que sinto (ou levar meu filho a identificar e explicar o que ele sente), com a voz da menina que existe dentro de mim, feliz por ter encontrado um livro assim.

Fernanda Matos.

Nenhum comentário: